Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Do fim de semana.

Este tem sido um fim de semana terrível para mim. Como o N. não veio, tinha pensado entreter-me com alguns projectos que tenho planeados para fazer novos trabalhos.

 

Ontem peguei nos tecidos e tesoura para começar no corte quando começo a sentir uma enxaqueca a "picar-me". Comecei a ignorá-la mas ela persistia. Tomei um comprimido que não fez efeito nenhum. Acabei por ter de parar o que estava a fazer e arrumar tudo pois deixei de poder suportar a luz do sol, o barulho da TV e até os cheiros. Tomei outro comprimido, protegi-me destes "agentes maléficos" e estiquei-me na cama. Ao início da noite aliviou um pouco.

 

Hoje de manhã, acordo com a mesma enxaqueca. Tomei novamente um comprimido, tomei um café e voltei para a cama até aliviar. Finalmente acabou por dar tréguas mas sempre que tentei fazer algo que exigisse mais concentração, a "chata" começava a dar sinal de si. Resultado: cortei várias coisas mas fazê-las não consegui. Ao fim da tarde, rendi-me à enxaqueca e acabei por me esticar na cama às escuras e com o Bobí deitado a meus pés a fazer companhia.

 

Dei aqui um saltinho para ver como está tudo por aqui e daqui a pouco volto para a cama. Espero que amanhã a enxaqueca tenha desaparecido pois já me chega a "dor de cabeça" das segundas-feiras!

Hoje tou assim...

Estou completamente k-O.! Ontem fui atraiçoada pela minha alergia já à noite. Tomei logo a medicação toda e enfiei-me na cama para tentar minimizar a coisa.
Já todos sabem que eu sou tipo flor de estufa, qualquer coisinha é o suficiente para eu ficar em "estado de espirro contínuo" e ontem a temperatura baixou e eu apanhei algum frio. Estava-se mesmo a ver que hoje iria ficar meio adoentada; espirros, dor de cabeça, incapaz de pegar num gato pelo rabo e prostrada.
Esta maldita alergia acaba comigo!
Argh!
{#emotions_dlg.angry}

Ponto de Situação.

 

Após uma semana de molho, enfiada na cama com uma gripe fortíssima, lá voltei eu ao activo. Voltei de mansinho, devagarinho, sem grande força ou entusiasmo. Continuo fraquinha pois qualquer coisa me cansa. Além do mais, o meu apetite desapareceu! Este talvez seja o único aspecto positivo desta gripalhada. Comida... bulergh!

 

Não me lembro de ter passado por uma gripe que me desse dores corporais tão intensas e em que a febre não queria baixar. E o mais engraçado é que não andei aos espirros, como é característica minha! Pensar que tudo começou com uma leve sensação na garganta que eu temi ser uma nova amigdalite...

 

Mas como o pior já passou, lá estou eu a regressar à rotina: preparar aulas, inventar estratégias e actividades para as crianças, gramar as trombas de alguns "seres" que só existem para lixar a vida aos outros (eu acho que só existem para isso e o Jesusinho tem um lugar bem quentinho no inferno só para elas), "passear" nos transportes públicos, gramar os espirros e tosses dos outros e fazer figas para que os "bichinhos" não se voltem cá para o meu lado de novo.

 

Vamos lá ver se consigo alinhar os neurónios para ser capaz de articular umas letrinhas e escrever algo "legível". Hihihhi!

Ano Novo, Etapa Nova, Moenga Nova...

Não me faltava já mais nada... {#emotions_dlg.cry} Estava eu tão bem, alegre e saltitante, quando hoje acordo... aflita da garganta! Ora bolas! Logo hoje...! Não podia ter sido ontem?! É que o pior é que quase não tenho voz e me custa a falar. Isto foi pura maldade, não acham? Çogo no meu primeiro dia de aulas deste periodo estar assim. Vou ter que inventar qualquer coisa para falar o menos possível, senão tou fritíssima!

Wish me luck! {#emotions_dlg.serious}

Desta é Que Foi.

 

Ai foi, foi... e foi à cama! Ai tão doentinha que eu estive ontem! Eu nem vou entrar em pormenores para não vos contagiar! Só vos digo que nem podia mexer uma palha! Assim, enfiei-me lençóis adentro, Bóbi dentado ao fundo da cama para aquecer os pés e testes à mão de semear mas os momentos de mais "rijeza". E olhem que ainda consegui ver meia turma! Ah, e pintar as unhas! Gaja que é gaja, não pode sair de casa com a manicure por fazer... verdade?! :P

Valha-lhes Deus!

                                   

 

Hoje ainda não fui trabalhar. E como era dia de convento, liguei para a mana-boss a comunicar que ainda não estava em condições para ir dar aulas (a não ser que ela queira que eu não fale, que eu contamine os putos com perdigotos e lhe mande a ela uma esca…t@ directamente para o meio da testa a ver se fica igual a mim!).
 
Foi uma conversa super interessante. Eu toda delico-doce como sempre a explicar o motivo pelo qual não iria hoje e oiço do outro lado com a bestialidade característica da mana-boss “ainda?”. Opa só me apeteceu transferir-lhe via telemóvel as minhas amígdalas e dores! É que aquele “ainda” tinha implícito desconfiança. Só que ela esquece-se que eu não sou cínica nem mentirosa.
A conversa cingiu-se a isto e “as melhoras”.
 
Telefono a seguir à minha colega para a informar da minha falta. E é claro que tinha de comentar isto com ela. Bom, parece que anda o Diabo à solta por aqueles lados e não há ninguém que o consiga expulsar.
Diz-me a minha colega que uma criança fez anos e foi distribuir bolos pelos profes – como é costume – mas que à revelia dela, levaram papel higiénico com o bolo embrulhado, em vez do guardanapo porque estes tinham acabado.
 
A mana-boss entra furiosa sala a dentro com o véu a esvoaçar por todos os lados, toda indignada, pois, segundo ela, não se entrega bolo à boss embrulhado em papel higiénico.
Vá mais uma descasca – de preferência à frente dos alunos para desautorizar ainda mais os profes – sem que uma pessoa tenha culpa nenhuma. Já viram isto?
 
Mas esta cena do papel higiénico deixou-me a pensar e acredito que deve ter alguma interpretação ao nível da psicologia. Huuummm…! Eu poderia apresentar já uma série de conjecturas mas tenho de ir almoçar que se faz tarde. :)

 

Posto De Comando

 

Felizmente a minha mãe melhorou ligeiramente. Graças ao soro bebível que lhe comprei na farmácia, mesmo sem recomendação médica, - quiçá porquê – os sintomas da virose pararam.

 

Muita insistência para comer, invenção de mil comidas e lá foram umas colherinhas boca abaixo. Mas muito pouco! Mas pelo menos parece que estamos a engrenar no bom caminho.

 

Mas o pior é que a minha mãe… montou, a partir da cama, um verdadeiro posto de comando!!! “Agora dá-me isto”, “agora faz aquilo”, “vai aqui”, “faz o outro”, “traz-me o…”, “não te esqueças de aqueloutro”. E aqui a minha pessoa a andar para trás e para a frente que nem uma barata tonta. E nem há hipótese de moleza porque ela desata a dizer a mesma coisa dezenas de vezes se for preciso. Até que o seu “comando” tenha sido cumprido.

 

Resumindo: instalou-se por aqui um regime de tirania em que só prevalece a vontade da comandante-em-chefe. E eu? Eu ando por aqui aos caídos, semi-zombie de tanto cansaço, com toneladas de coisas para fazer mas sem tempo. É que à noite, quando as coisas “acalmam” um nadinha, eu já não tenho capacidade física nem psicológica para fazer o que quer que seja! Oh vida!

 

P.s. – Tenho o meu irmão com uma bela constipação. Já começou com “pedidos” digamos assim. Já fui avisando “dois a pedir, não!”. Just in case

 

Ponto De Situação

          

 

Não sei o que fazer. Estou a chegar a um ponto labiríntico. Já me fartei de chorar hoje.

 

A minha mãe não pode ficar sozinha em casa e nem eu posso faltar ao trabalho.  Começo a faltar ao trabalho, sou dispensada.

Por este dois motivos, uma vizinha amiga fez o favor impagável de ficar de tarde com a minha mãe nestes últimos dois dias.

 

Hoje cheguei a casa, fui ver como ela estava e o que tinha comido. É então que a minha vizinha me diz “ eu só a vi beber água” e ela manteve-se calada, por isso essa é a verdade.

 

Fiquei muito decepcionada e revoltada. Ando sempre de volta dela para ver o que quer comer a dar sugestões mas ela é super esquisita.

Tenho tido umas semanas que ninguém imagina. É tratar dela, do resto da família (que chega a casa e não gosta da comida), da casa, das minhas coisas da escola com todos os minutos mais que recontados pois tenho de sair de casa quase sempre por volta do meio-dia ou antes. Geralmente o meu almoço é um bocadinho de pão comido à pressa e uma maçã roída no autocarro. O stress não me deixa comer, não consigo.

 

E é aqui que a decepção e a revolta entram. E hoje passei-me. Disse-lhe duas que ela não deve ter gostado.

Avisei-a que se quer morrer que diga logo e caso ela não faça um esforço, vou pedir à médica para a internar no hospital.

Virei costas lavada em lágrimas.

 

Opa, será que é tão difícil fazer um esforço para engolir algo? Será que é muito difícil esquecer as suas esquisitices, pelo menos, até melhorar? Será que eu não mereço que ela se esmere um bocadinho e vá comendo umas coisinhas?

 

Se não o faz por ela, pelo menos que o faça por mim.

 

Atribulações Diárias.

 

Escrevo este post entre uma dentada numa fatia de pão com manteiga e um gole de café com leite. Sei que tenho andado desaparecida dos vossos blogs e do meu. Acho que já imaginaram porquê: trabalho a dobrar. Aos meus inimigos, digo apenas que não fui eliminada. Ainda aqui estou!

 

***

A minha semana tem sido algo atribulada. Começando no fim-de-semana com a estucha da Reunião de Condomínio com as já tradicionais baboseiras da Dona M. J., que apenas servem para atrapalhar e atrasar a reunião, passando pelo baile do Presidente Obama lol e continuado até hoje com uma aula sem sala.

 

Sabem aquelas pessoas que falam, falam mas não dizem nada? Cujo discurso é tipo “pescadinha de rabo na boca”? Pois a Dona M.J. é assim. Primeiro que ela diga que o céu é azul, tem de contar a história da formação do universo para chegar, finalmente, ao que quer dizer. Depois acrescenta mais uns pozinhos de conversa que não interessam para nada…

Escapei-me de ser novamente Administradora. Até porque nem era a minha vez…

 

Ando super cansada pois trabalho a dobrar e ter que preparar aulas para 7 turmas diferentes, é dose. O meu único consolo é que tenho 4 turmas cuja matéria é a mesma. Menos mal…

Mas para agravar as coisas, a fulana que estava antes no meu novo colégio, não devia “viver para a vida” como costumo dizer e sim para o computador.

A verdade é que ela fazia planificações muito bonitinhas e passava as aulinhas todas no PC com montes de floreados. Isto é revelador que ela se dedicava de corpo e alma à burocracia mas que, se calhar, o que era mais importante ficou um pouco de lado. Note-se que eu também sou de fazer muitas fichinhas e coisinhas giras para os miúdos ao PC, mas não é a minha prioridade.

Ao que me constou houve muitas queixas dos pais acerca dos métodos de ensino e do pouco trabalho desenvolvido.

 

Encontrei uma ex-aluna a quem dei aulas há cerca de 4 anos. A miúda tinha vindo do Brasil com uma mão à frente e outra atrás, apenas com a mãe e mais uma penca de irmãos. Eram tão pobres, tão pobres que eu e a directora muitas vezes lhes demos de comer ao lanche.

Ela reconheceu-me mas não me falou, apenas guinchou que eu tinha sido a professora de Inglês dela. Mas nem foi isto que me deixou triste… foi o facto de ver que uma miúda de boa índole estava acompanhada com corja da pior espécie e comecei a ver o filme todo. Enfim!

 

Ontem foi dia de piripaki. É claro que o stress, a falta de dormir e o cansaço tinham que se reflectir no meu organismo. Passei todo o dia com uma dor de cabeça terrível, quando sai da escola e o frio me atacou, então é que a coisa piorou bastante. Entrou-se-me um frio pelo corpo adentro que eu comecei a contar os segundos na ânsia de chegar a casa.  Afoguei-me em chá e banhos de aquecedor e no fim de jantar adormeci até hoje de manhã. Hoje já estava melhorzinha.

 

Tão não é que eu queria dar a minha última aula e não tinha sala?! Quer dizer, ter sala tinha, não tinha era chaves para lá entrar. Algum dos gajos-profes levou as chaves para casa e eu… tive de me aguentar à bronca. Corri o colégio de cima abaixo à procura das chaves pois nem a secretaria nem a senhora da limpeza tinham as chaves. Mas o pior é que os miúdos nem tinham material para trabalhar… Apropriei-me de outra sala e trabalhámos uma ficha que eu tinha para casos de emergência. Lá me safei!

 

 

Ai...!

Não é justo! Onde está o livro de reclamações que eu quero reclamar!!!

 

Anda esta Pessoinha a levantar-se todos os dias às 6.30h da manhã para ir trabalhar e a paga que tem é estar doente?! Não pode ser!

 

Já não basta o sacrifício de ter de madrugar e congelar na paragem do autocarro, sozinha e abandonada às sevícias do clima, como agora ainda estar cheia de febre?

 

Ai estou tão doentinha! Vou fazer uma pausasinha para tomar um comprimido e me meter na cama... A ver se recebo uns miminhos para isto passar mais depressa. Até logo!